11 de fevereiro de 2015

"Queria ver você aqui no meu lugar, eu ia rir de me acabar..."

Talvez o que eu mais gosto de ser eu, a Luciana, seja o fato de mesmo as coisas não saírem do jeito como eu imagino, eu acabo me divertindo e aprendo alguma coisa.

O primeiro passo foi dado...
Bem, semana passada eu iniciei num emprego inusitado, eu fui trabalhar como Auxiliar de Limpeza em um famoso Hotel aqui de São Paulo. Eu nunca tinha trabalhado diretamente com faxina, mas já tinha feito algo parecido nas drogarias que eu trabalhei, então qual o problema de aceitar um emprego nesse ramo?

Limpeza não é motivo de vergonha!
Diante das dificuldades em conseguir um emprego que não me remetesse ao meu passado profissional fracassado, eu achei interessante fazer algo diferente e eu não tenho preconceito algum em relação a isso, respeito muito os profissionais desse ramo.

Com um bonito vestido cinza e avental preto, lá fui eu me aventurar pelos corredores do Hotel. Limpeza das áreas comuns, algo simples, segundo me disseram. Banheiros, salas de eventos e reuniões, corredores, restaurante, recepção e outros pontos que não tive a oportunidade de passar. Enfim, manter a ordem e a limpeza.

O vestido veste bem, apesar de ser quente!
Durante o trabalho, limpei vários banheiros e pude perceber que tem muitas mulheres porcas, elas simplesmente não valorizam o trabalho do pessoal da limpeza. Homens são mais comportados, mas mijam fora do mictório, que puxa!

É um serviço simples, mas é puxado porque é constante e exige muito fôlego. Passei aspirador em várias salas e corredores, fazer isso não é fácil. Ufa!!!

Queria ver algumas pessoas no meu lugar, tá bom!!!
A minha maior curiosidade era em relação ao uso do uniforme (eu ficaria invisível?!?), eu não cheguei a me sentir invisível, porém percebi que quem usa uniforme é sim "deixado em paz".

Só que eu não pude ficar com o trabalho devido o horário que eu estava chegando em casa (por volta das 00:40), não achei justo ver minha mãe no ponto de ônibus me esperando (ela já fez isso tantas vezes, não quero mais vê-la fazendo isso). Eu pensei que fosse chegar mais cedo, mas depois das 23:00 o ônibus demora e querendo ou não, estou no extremo da zona sul, né? É longe mesmo!!!

Tudo o que eu posso dizer é que agora mais que nunca, valorizo o trabalho de quem faz faxina, limpeza e afins. Não é um serviço fácil e não entendo porquê é tão desvalorizado, é um serviço braçal que exige muito da pessoa... Eu poderia ficar horas argumentando, só que eu entraria em um lance de discriminação que eu realmente acho desgastante diante de tudo o que o serviço de faxina simboliza. Eu só posso dizer uma coisa: são profissionais incríveis, exigentes e que eu admiro muito. 

Vocês são realmente incríveis.
Esses poucos dias me serviram pra muita coisa, principalmente para pensar que eu sou capaz de tudo, de realizar o que eu quiser. Estou orgulhosa de mim e de não ter medo de experimentar coisas inusitadas. Não acho que me rebaixei aceitando esse emprego (algumas pessoas talvez tenham tido esse pensamento mesquinho), eu apenas quis seguir em frente encarando a realidade. E na boa, eu não tenho que provar nada pra ninguém, eu não devo nada pra ninguém...