15 de junho de 2014

Prazer, Banana Joe!!!

Na adolescência é muito comum os apelidos na escola. Eu tive um e era Banana Joe.

Chega ser ridículo, mas tudo começou na 4ª série, em 1990. Sabe como é, Luciana cara de banana, e com essa brincadeira chata eu ganhei um apelido. Quem teve a brilhante ideia foi um garoto da minha sala chamado Cláudio, ele me perseguia e tirava minha paciência falando: "Luciana cara de banana". Eu o perseguia na hora do recreio, mas nunca alcançava, até que um dia eu o alcancei e dei tanta chapoletada nele que até perdeu a graça.

Nos cadernos de recordações eu desenhava a Banana...
Mas num belo dia, já com o apelido encrostado na boca de todos, passou um filme na Sessão da Tarde com o título "Banana Joe". E pra minha felicidade, todos da minha sala assistiram... 

O filme tinha no papel principal Bud Spencer e ele morava numa lugar cuja a renda girava toda em torno das bananas, por isso o nome dele era Banana Joe.


No dia seguinte, meu apelido havia ganho um agregado e eu me tornei Banana Joe mesmo não sendo um garoto. Eu só sei que tive esse apelido até a 7ª série, 1993, e ele só me abandonou quando mudei de escola.

Na 6ª série, todos da minha sala tinham um apelido, era algo importante ter um apelido e eram muitos: Baixinha, Mosquito, Calcinha, Diabo Loiro, Cueca, Cláudia Macarrão e aí vai. Como o meu apelido me acompanhava desde o primário, era o mais imponente, o mais respeitado. Me lembro uma vez, uma garota nova da sala chegou no grupinho que estava conversando e perguntou: "Quem é a Banana Joe?" Eu me levantei (como naqueles filmes antigos de faroeste), ergui o nariz e disse: "Sou eu, por quê?"

Eu sou Banana Joe. Quem quer saber?
 HAHAHAHA!!! Velhos tempos...