15 de junho de 2014

Era uma vez um aviãozinho do contra...

Ontem fui assistir meu sobrinho dançar quadrilha e acabei me entregando a todas aquelas figuras relacionadas às festas de São João. Comida, chapéu caipira, brincadeiras... Subimos para as salas onde estava acontecendo as brincadeiras, tipo pescaria. E me deparei com os desenhos dos alunos expostos nas paredes do corredor das salas. Instantaneamente me lembrei de uma coisa de quando eu estava no prezinho.

Minha sala era assim:  mesinhas redondas
Uma vez a professora fez cópias de um desenho para pintarmos em sala de aula, era um passarinho guiando um avião. As cópias haviam sido feitas no mimeografo, um aparelho que era utilizado a base de álcool e folhas de estêncil que reproduzia cópias a partir de uma matriz. Muitas vezes as folhas ficavam úmidas devido o álcool e vazavam para os dois lados do papel, era engraçado.

Mimeografo, peça de museu
Enfim, eu não aprendi a ler na pré-escola, lá eu só brincava e desenhava. De uma maneira bem inocente, colori meu desenho, me lembro que pintei o avião de roxo e o passarinho de amarelo. Levei à professora para ela dar um visto e pra minha surpresa ela disse que eu tinha feito errado, como assim? Eu colori meu desenho do avesso e nem reparei tamanho minha inocência, mesmo na hora de colocar o nome não percebi que tinha alguma coisa errada.
Esse é só um exemplo...
Nossos desenhos sempre eram colocados numa espécie de varal, um do lado do outro e como eu tinha colorido o meu do avesso, o meu aviãozinho foi o único que voou para o lado errado. Era frustrante ver o meu avião ao contrário, a minha sorte é que ninguém sabia ler e quando me perguntavam qual era o meu desenho, eu apontava para outro qualquer...